domingo, 22 de junho de 2014

Sobrevivencialismo é perigoso?

Você já parou pra pensar no potencial estratégico do sbrevivencialismo e seus desdobramentos em países como o nosso? Melhor ainda, já parou pra pensar quem é que lê suas postagens? De certo em algum momento deve ter ocorrido que um representante da lei possa estar de olho no que você anda escrevendo, acredite meu amigo, ele é o menor dos seus problemas.





O Sobrevivencialismo e preparação

João é um cara preocupado com sua segurança e de sua família, paga convênio médico, instala alarmes e cercas elétricas, faz poupança, plano de previdência e paga seus impostos. Decidiu comprar uma arma e seguiu todos os trâmites legais, já que a violência é um de seus temores. Um belo dia o João vê um compartilhamento interessante e clica no link, lá estava um cara falando sobre preparação, ensinando como guardar comida e mostrando que o "comum" não basta quando o sistema pifa. João ficou alerta, poxa vida, de que adianta minha poupança se eu não puder sacar? Então, este bravo pai de família decide manter ali em casa umas coisinhas básicas, comida, um gás extra, uma lanterna... logo ele compra uma boa faca e começa a passar mais e mais tempo aprimorando sua preparação inicial, ele se farta em vídeos e blogs, tutoriais. A família adere e no fim de semana todos vão pro quintal plantar a nova horta. João Jr chega  na escola feliz, todo cheio e conta pra todos seus amiguinhos que o pai sabe acender fogo com pauzinhos.

É, parece que o Sr João está preparado pra suportar um bom tanto de dificuldades. Tem um bom suprimento de comida, um plano de evasão, agua, aprendeu a ser um "cara cinza", mexer com ferramentas. Sua casa está mais segura, ele consertou as falhas de segurança, trocou portas, janelas, trancas. Ele também fez uma horta e começou a gerar a própria comida. Quando algo acontecer, ele estará preparado.

Parabéns senhor João, o senhor usou este magnífico martelo chamado sobrevivencialismo para construir algo. E o sobrevivencialismo é isso, uma ferramenta. Em alguns países a prática é incentivada por diversos órgãos governamentais, catástrofes acontecem e o povo preparado vai diminuir muito o numero de mortes e principalmente a demanda de desabrigados. Cidadãos de bem como o Sr João recebem destas organizações uma série de benefícios, como por exemplo uma cisterna segura e algumas caixas de rações e suprimentos. Ele se torna guardião de alguns recursos públicos que serão distribuídos para sua comunidade em caso de sinistro, da mesma forma, Sr João está apto para cooperar com as autoridades em situações difíceis, os órgãos federais sabem que ali existe um refúgio seguro, suprimentos, munições e equipamentos médicos, em um distúrbio de grandes proporções ou em dificuldades, acionam estas "bases" estratégicas
e conseguem ali proteção e suprimentos para os agentes. Incrivel né?
Isso habilita um agente federal (ou militar) ter uma "base" de operação segura mesmo longe de seu QG.


Você começa a se tornar um sobrevivencialista a medida que estuda o termo. Muita gente já pensava desta forma antes de tomar conhecimento que existe um movimento com um nome pra esta prática. Não enfrentamos grandes invernos, mas a D. Tereza sempre teve uma comidinha a mais ali na despensa, ela tem filhas que moram perto e nunca se sabe a hora que vão precisar de algo, da mesma forma o Sr Paulo, que com dois filhos pequenos e levados mantinha sempre uma caixinha de primeiros socorros bem recheada em casa, afinal os moleques vivem se ralando. Com o Pedro foi mais ou menos assim, ele gostava de mato, camping, terra e verde, participou de grupos de trekking, foi escoteiro, e por várias vezes, sentado no alto da montanha e vendo aquela magnífica vista ele pensou : "Daria tudo pra viver aqui!" Um belo dia, pesquisando sobre mochilas ele viu alguém falando sobre "Se mudar pro mato com uma mochila", pronto, uma rápida pesquisa e um mundo de informações e pessoas se abre sobre ele.


D. Tereza, Sr Paulo e o Pedro, entenderam que se enquadravam no sobrevivencialismo de alguma forma e em um dado momento se encontraram num grupo de discussão simples sobre o tema numa rede social qualquer. O Sr Paulo ensinou dona Tereza como lidar com ferimentos, e o Pedro ensinou ao Paulo como montar uma mochila, a dona Tereza ensinou aos dois a receita da vó, um biscoito saboroso que dura muito tempo.


Outras pessoas também frequentam este grupo de discussão e seguem as publicações. Um deles é o Sr Silva, ele não é de fato muito participante, embora seja assíduo e lê tudo o que pode. Ele tem um interesse muito especial neste tipo de publicação. Sr Silva é um agente do governo.
Funciona mais ou menos assim:
Se você desafiar uma viatura da guarda municipal local e colocar os agentes em perigo, eles vão chamar reforços. Em pouco tempo chegam mais guardas, ambulâncias, bombeiros e a policia militar. Se ainda assim este grupo não conseguir resolver o problema, vão acionar equipes táticas, helicópteros e mais policiais, e não importa o que você faça ou quantos você vença, eles sempre vão continuar a chegar, com força e disposição suficientes para se manter por dias e dias em um cerco ou negociação até que a situação se solucione. Eles tem muitos meios de apressar as coisas, e um deles é privando o amotinado de infra estrutura e conforto. A técnica é abrangente o suficiente para ser estendida a fugitivos, um elemento terá de correr sistematicamente, enquanto as autoridades, em maior número e com recursos quase infinitos se comparados ao elemento vai simplesmente revezar equipes de busca. Os guardas e policiais comuns estão plenamente habilitados a enfrentar ameaças previstas, bandidos armados, assaltos, brigas e toda sorte de dificuldades, mas não são treinados para enfrentar grupos organizados, como milícias paramilitares e afins,e é por isso que existem as forças de elite, como grupos anti bomba, anti tumulto, tropa de choque, tropas de operações em selva e por aí vai. O governo mapeia e controla a maioria dos itens "perigosos" para evitar surpresas. Um escudo balístico e uma máscara de gás são capazes de oferecer um tipo de proteção que as forças comuns de segurança não dispõe, colocando a autoridade comum em posição de desvantagem. Da mesma forma, uma equipe tática que vai invadir uma casa pra salvar reféns espera que a porta se arrebente com o aríete, não vai ser nada bom encontrar uma "barreira desconhecida ali" na hora da ação.
É um problema seríssimo para as autoridades não poder "controlar" um ambiente durante uma ação deste tipo, e um sistema de vigilância autônomo e autossuficiente já basta pra complicar tudo. Este é exatamente o trabalho do Sr Silva, saber que a D. Tereza tem provisões, que o Pedro é mateiro e que o Sr João tem como se manter em segurança em casa completamente abastecido por quase uma ano. Mas acreditem, não são estes cidadãos de bem que tiram o sono do Sr Silva e dos seu chefes, afinal todos estão ali, tagarelando, discutindo e pensando formas de facilitar sua vida em publico, quem preocupa o Sr Silva é aquele que não fala nada. Nunca.


Sejamos sinceros, nos meios sobrevivencialistas podemos conhecer um ou outro mais famoso, geralmente quem publica constantemente, editores como eu, e até praticantes "abertos" do sobrevivencialismo, a grande maioria é de simpatizantes, pessoas interessadas em temas específicos e pessoas que não existem. Não importa, você jamais vai conhecer todos. Você não sabe quem está lendo isso agora, junto com você. Entre os centenas de perfis fake das redes sociais é bem fácil notar quem usa o fake por "estilo" e quem usa pra se esconder deliberadamente " Lobo Prepper", "Batata sobrevivencialista", "Guerreiro de Deus" e outros, acabam usando seus perfis como personagens de divulgação ou apelidos, aparecem tanto que se tornam lugar comum. Mas e o Zé Alves ali hein?

Pois é, o perfil Zé Alves é falso, um fake, um clone de algum perfil qualquer, não usa apelidinhos, não se promove ou divulga seus trabalhos e intenções. Zé Alves é educado, sempre presente, adora pedir mais informações e explicações por inbox, email e outros meios não públicos.


Mas quem é o maldito Zé Alves?
Bom, nós cidadãos comuns jamais saberemos. O Zé Alves pode ser qualquer um. Ele pode ser o novo "Fernandinho Beira Mar" que achou o ninho da égua e agora pode deixar suas operações extremamente mais seguras, ele também pode ser o novo " Osama Bin Laden" e assim como o original usar técnicas sobrevivencialistas para desaparecer, se escondendo por 10 anos da maior máquina de inteligência do planeta. O Zé pode ser um sitiante tímido, com vergonha de estar preocupado com o fim do mundo ou um nerd esperto querendo saber como sobreviver ao apocalipse zumbi. Ele pode ser um cara comum, um criminoso terrível, um sociopata, um terrorista e até um agente secreto. Nós não saberemos.
O inocente biscoito da D. Tereza lá naquele grupo da rede social pode salvar uma família da fome, mas também pode manter o traficante alimentado e entrincheirado no alto do morro. O que impede o bandido de aprender as tecnicas de sobrevivência mostradas no YouTube?


Sim, o sobrevivencialismo é perigoso, ele equaliza muitas coisas, gera um equilíbrio tenso e delicado de interesses quando questões começam a ser levantadas, o simples fato de algumas pessoas possuírem um plano seguro para "desaparecer" é por si só um atentado a diversos interesses. Mesmo o mais santo cidadão de bem é um alvo em potencial de diversos interesses, ele precisa trabalhar, gerar impostos, usar cartão de crédito, votar, ele não pode simplesmente planejar ser livre disso tudo, autossuficiência não é de interesse do sistema, do estado.


Enfim, seja como for, questões como estas sempre chegarão aos editores do tema, em algum momento alguém perguntará : "Como você sabe que isso não será usado para o mal?" A resposta mais sincera que posso te dar é a seguinte:
Meu caro amigo, ninguém pode controlar quem serão os leitores da bíblia, pode ser um cristão fervoroso ou um pastor picareta, da mesma forma que uma chuva quando cai vai molhar o bom Sr João e o Zé Alves, vai regar as plantinhas da d. Tereza e apagar a fogueira do Paulo, sou só um escritor e editor, ofereço as ferramentas, quem escolhe como usa-las são os leitores. Se tem alguém neste imbróglio todo que precisa saber quem é quem neste meio e que pode responder sua pergunta, este cara é o Sr Silva, este é o trabalho dele e eu  rezo confio que ele seja bem competente nisso.


Abraços.




Translate

Publicidade