Manual Guia do Sobrevivente

Manual Guia do Sobrevivente
Sobrevivencialismo e Preparação

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Alterações e modificações em faca MORA Nº 1 clássica.

Batata seu noob!
Pois é, talvez seja. Ganhei minha mora clássica do amigo Giuliano Toniolo. Não houve tempo para "namorar" a faca, eu a recebi já com meio campo de acampamento montado, e foram 7 dias e 6 noites de uso quase exclusivo.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Eles desligaram tudo, e agora?

Foi só uma marolinha.
No primeiro mês, nosso principal cliente nos avisou que atrasaria o pagamento da nota, mas que arcaria com multas, juros etc.
No segundo mês, outros dois clientes fizeram a mesma notificação e um outro cancelou o contrato.
No terceiro mês, 7 dos meus oito clientes cancelaram o contrato, todos dispostos a pagar juros e multas.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Gastronomia sobrevivencialista- Feijoada

Esqueça as famosas latas e pratos prontos vendidos no mercado, embora cheios de vantagens, nunca irão se comparar ao bom e velho feijão gordo cozido com miúdos em termos de paladar. Nesta postagem vamos esmiuçar a história e os ingredientes deste tradicional prato brasileiro e ver se podemos aprender algumas coisas legais com ele.

Vou começar de cara com uma receita básica de feijoada, assim vemos todos os ingredientes e podemos ter uma visão mais ampla:

domingo, 13 de outubro de 2013

22 motivos para você ter faixas elasticas em seu kit de sobrevivência.


As faixas elásticas para exercícios podem ser itens realmente funcionais em um momento de necessidade. Nesta postagem vou listar muitos bons motivos para você investir neste item. O elástico mede cerca de 1,5 m, pesa cerca de 80 gramas e pode ser dobrado, comprimido e prensado para ocupar menos espaço. Suporta 180 kg/força ou 400 libras ( Carci band extra forte) antes de se romper, porém é muito vulnerável a cortes e calor direto.
Segue abaixo a lista com 22 utilizações para esta faixa cheia de funções pra quem gosta de uma boa gambiarra:

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Vinho - Porque vou montar uma adega em casa.

Tá certo, eu adoro vinho.
 
E não é  pelo álcool, e sim pelo gosto que esta milenar bebida tem, e seus inúmeros benefícios para preparadores.

1º - Não tem prazo de validade se armazenado corretamente,
2º- É uma baita moeda de troca em cenários de crise;
3º- Vai tornar receitas ruins mais fáceis de descer, sabe -se lá qual será o cardápio do dia.
4º- O vinho tem inúmeras faculdades já comprovadas que fazem um bem danado para a saúde se consumido moderadamente. Este ponto é bem interessante, em um cenário onde a alimentação pode não ser tão bem balanceada, um aditivo extra de coisas saudáveis sempre ajuda.
5º- Vai levantar MUITO o moral nas horas de aperto.

O consumo de álcool em cenários de sobrevivência é contraindicado por 11 em cada 10 especialistas, um cidadão retido em um bunker por algum motivo de fato está numa situação de sobrevivência, ou melhor, de subsistência, e você leitor deve estar se perguntando: Então porque este estúpido está colocando isso no blog?

Porque este autor acredita no bom senso no consumo de bebidas alcoólicas. Se você ficou levemente tonto passou do limite. Você pode tomar uma dose e dirigir, todos os estudos comprovam isso, o que não pode é encher a caveira e fazer merda, esta postagem segue exatamente esta linha.

Minha avó morreu com 96 anos tomando um pequeno cálice de vinho tinto antes de cada refeição, antes, nunca durante, na casa dela sempre haviam garrafões de vinho cheio e pra nona tomar duas taças devia ser Natal, Páscoa ou outra data "Santa". E também não havia muita restrição não, criança que berrava tinha a chupeta mergulhada em vinho doce, nós moleques tomávamos um tipo de sangria feita de vinho, agua, açúcar e alguma fruta da época em pedacinhos, eram outros tempos e hoje os sucos naturais de uva  e a morte das velhas italianas encerraram a prática. Não vai você achar que estou dizendo pra colocar vinho na mamadeira dos bebês, pra mim bebida é uma arma e só devia ser usada por maiores de 25 com autorização da policia federal.

Pois bem, chegamos a um ponto dramático da minha opinião, se tem gente que indica uma boa e farta golada de urina, que mal pode fazer uma taça de 40 ml de vinho, geralmente com apenas 6% de teor alcoólico?

Um copo de vinho por dia, além de sua comprovada atuação em benefícios cardíacos e no rejuvenescimento, ainda oferece os seguintes benefícios:
  • Aumenta a esperança de vida
  • Previne e ajuda a controlar a hipertensão
  • Diminui o risco de pedra nos rins
  • Previne a arteriosclerose
  • Ajuda a desfazer gorduras
  • Inibe a multiplicação do vírus que provoca o herpes
  • Melhora a digestão e o sono
  • Regula o humor
  • Aumenta o QI
Finalizando, e pra quem ainda não sabe, este autor que vos fala é um entusiasmado estudante de culinária antiga, mais precisamente a medieval, e o habito de substituir bebidas por agua nas refeições vem bem antes da Idade das trevas, o cidadão só tomava agua em casa, ou se não tivesse outra opção, era preferível uma caneca de cerveja ruim , quente e amarga, ou  um caneco de vinho avinagrado do que morrer de disenteria, tifo ou leptospirose. Sem saber, o camponês medieval que passava na taverna para um trago depois da lida, estava mandando pra dentro um anti biótico natural bem leve, fruto da fermentação "sem cura", ou tempo de descanso, das bebidas da época.

No mais, o vinho atravessou a história da humanidade, fora regionalismos, e é uma bebida globalizada, acessível e cheia de poesia, paladar e benefícios.
E como sempre, deixo a dica, armazene itens alimentares que todos gostem, se você ou ninguém que da sua casa bebe vinho, não vale a pena o esforço nesta preparação e antes que perguntem, em minha casa somos fãs de frisantes, pró secos e tintos poderosos e encorpados e sempre aceito este tipo de presente de bom grado, não se acanhem!


Bom, este é meu ponto de vista, deixe sua opinião aqui nos comentários, você acha que vale a pena manter um pequeno estoque de bebidas nas preparações?

Abraços.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dá pra viver com uma "RAÇÃO ESSENCIAL MÍNIMA" ou cesta básica?

Será mesmo que dá pra viver com uma cesta básica? Segundo o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) dá sim, os caras se deram até ao capricho de montar os gêneros alimentícios diferenciados por região do país, vejam só:


Estrutura das Cestas Básicas por Região
Os produtos da Cesta Básica e suas respectivas quantidades mensais são diferentes por regiões e foram definidos pelo Decreto 399 de 1938, que continua em vigor. A sua estrutura encontra-se na tabela abaixo:
Alimentos
                                       Região 1        Região 2          Região 3
Carne kg                     6,0                 4,5               6,6
Leite l                         7,5                 6,0              7,5
Feijão kg                     4,5                 4,5              4,5
Arroz kg                     3,0                 3,6              3,0
Farinha kg                  1,5                  3,0              1,5
Batata kg                   6,0                                     6,0
Tomate kg                  9,0                  12,0            9,0
Pão Francês kg           6,0                  6,0             6,0
Café em Pó kg          0,600              0,300           0,600
Banana unid.               90                   90               90
Açúcar kg                  3,0                  3,0              3,0
Óleo ml                      750                 750             900
Manteiga kg              0,750              0,750             0,750
Região 1
SP, MG, ES, RJ, GO e DF,
Região 2
PE, BA, CE, RN, AL, SE, AM, PA, PI, TO, AC, PB, RO, AM, RR e MA,
Região 3
PR, SC, RS, MT e MS. 
Pois bem, se você leu a lista acima e se assustou parabéns, não foi o único a perceber que 99,99% das cestas básicas não correspondem ao indicado pelo órgão competente para que pessoas sobrevivam dela.

 Como bom cheff executivo vou lhes dar o que seria a refeição diária que esta cesta compõe: O desjejum seria de pão com manteiga e café com leite, todos os 3 membros da família comeriam uma banana, um tomate e uma batata por dia além de um bom prato de arroz com feijão engrossado com farinha e um bife ou pedaço de carne de mais ou menos 50 g ( um hambúrguer comum)


Sabe, eu adoraria dar-lhes parâmetros de comparação a fim de avaliar suas preparações, mas até nisso o brasileiro é cagado.
Eles vão enfiar na cesta entregue ao trabalhador uma lata de sardinhas e um pacote de macarrão, talvez 2 litros de óleo e menos feijão porque é caro.


O meio quilo de leite em pó faz só 3,3 L de leite com um, mas haverá uma tetra pack de leite condensado. Açúcar é de 5 Kg e fruta se vier vai ser em lata.
Manteiga ou margarina? Esqueça, você não vai precisar porque não tem pão nas cestas de mercado, só bolachas agua e sal.
Sobrevivencialistas, como em tudo no nosso país, a regra é furada e cada um vai adaptar a CESTA BÁSICA de acordo com o que acham ser conveniente.


RAÇÃO ESSENCIAL MÍNIMA.
O nome original é bem sinistro, concordo, mas é, ou deveria ser um reflexo do que se propõe, manter 3 humanos vivos por um mês. Além destes itens alimentares, por regra seguem 6 rolos de papel higiênico, uma garrafa de agua sanitária, 3 sabonetes e um tanto de sabão para lavar roupas.

Vamos olhar com frieza o trabalho dos especialistas, eu realmente acredito que uma pessoa viva relativamente bem com esta ração diária, embora também acho que o sujeito habituado a variar o cardápio vai ter um colapso psicológico de tanto tomate, banana e batata.
A grande sacada seria umas 300g de sal pelo menos, sem tempero vai ser osso DIEESE!!!


Por isso insisto sempre que preparações devem ser montadas por cardápio diário ou refeições e não somente quantidades como alguns apregoam, óbvio que volumes podem ser trabalhados até para facilitar a vida do vivente que tem de comprar em volume pra baratear, mas a base de calculo deve ser sempre a de refeições diárias ou unitárias.
 Eu realmente acredito que o DIEESE tenha consultado muitos especialistas, nutrólogos e estudado o dia a dia do brasileiro para elaborar sua lista, a pergunta que deixo aos amigos sobrevivencialistas é, você acha mesmo que o cara do mercadinho que montou uma cesta básica no olho, visando ganhar um troco na venda feita no volume fez algum estudo sobre isso?

E como são as cestas básicas na sua região, já observou isso? Arriscaria viver um mês só com ela?


Abraços.

Translate