Manual Guia do Sobrevivente

Manual Guia do Sobrevivente
Sobrevivencialismo e Preparação

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Preparação versus caridade - Valores pessoais em cenários de crise.



Faço muita pesquisa, e quando você mergulha em um tema automaticamente entra em contato com outras pessoas com afinidades ideológicas. No meu caso preparadores e sobrevivencialistas.
Dentre os motivos me levaram a fazer vídeos e escrever este blog, um dos maiores é conhecer você leitor, saber suas opiniões, aprender e ser corrigido em meus erros.
E eu estou tendo sucesso nisso.


Seja em fóruns, sites e até na interação pessoal, um dos assuntos que sempre vem á tona é a relação dos preparadores com os "polly" ou ovelhas no Brasil. Ovelhas e pollys são os que estão firmemente seguros que o sistema irá prove-los caso a merda bata no ventilador.


Na historinha infantil da cigarra e das formigas, a cigarra (ovelhas) não está preocupada com o inverno, enquanto as formigas trabalham duro (preparadores), mas diferente do final deste desenho animado onde a cigarra é acolhida, na vida real, a grande maioria das formigas pretende receber cigarras esfomeadas á bala.



E realmente alguns parecem desejar um grande colapso só para liberar seus ímpetos genocidas.
Esta semana conheci o Ricardo, um preparador de bom coração. Acho que o primeiro que conheço no Brasil que pretende ajudar sua comunidade de maneira altruísta. Ao invés de distribuir chumbo quente, Ricardo quer doar refeições e agasalhos para os necessitados e desconhecidos que eventualmente cheguem a ele.



Globalmente o sobrevivencialismo e a caridade tem por concepção uma rivalidade mortal... sem trocadilhos infames.
Fora do eixo google, em comunidades fechadas se encontram todo tipo de preparadores e sobrevivencialistas, e basta uma pequena leitura de seus planos para constatar como eu, por exemplo, faço um trabalho ingênuo e inocente.
Milícias organizadas em grandes fazendas coletivas que operam bazucas, explosivos e até blindados e helicópteros. Um cara que parece normal fazendo planos de expandir seu território, simplesmente abatendo seus vizinhos, outros pensam em escravidão, roubo, massacres incríveis onde a pena de morte é andar na rua, eu, no alto de meus 40 anos até acharia isso uma grande falácia, um blefe imaginário se não fosse as centenas e milhares de fotos e filmagens que realmente comprovam as intenções. Infelizmente se organizar planejar, executar e treinar não é crime em muitos países, desde que fique só nisso.



  Em um dos vídeos, gravado em um domingo qualquer, o cara mantém seu vizinho na mira de um rifle carregado e destravado por quase uma hora enquanto lamenta o fato de ter que atirar nele caso o sistema desande - " Ele é bom pai e tudo mais... paga impostos e não faz coisas erradas... mas é um polly, vai me atrapalhar... ele tem agua... uma piscina... posso vê-lo mas ele nunca me vê... vai morrer de qualquer forma por ser despreparado... e sua família vai vagar por aí... é vou atirar nele e pegar suas coisas ... e usar seu terreno a meu favor...", esta não é a transcrição literal mas é mais ou menos isso, o cara, um preparador com muitos recursos vai simplesmente matar o vizinho e expulsar a família dele de casa. Para mim, é um sociopata enrustido.O pior é que ele não está sozinho, vi um absurdo tutorial ensinando como envenenar o estoque caso tenha de deixar para trás o bunker com centenas de comentários favoráveis. Já falei de extremistas na postagem anterior leia AQUI.
Caros amigos, o que vemos no preparados para o fim é a ponta de um grande ice berg, e o lado mais doce e cômico dele.



Mesmo nas comunidades mais lights e normais, o conceito de caridade é repudiado veementemente, as dicas são mais ou menos assim: Se você tem um cobertor que foi substituído, não doe para a campanha do agasalho, embrulhe-o bem e leve para seu B.O.L. ou enterre-o em um local seguro e de fácil acesso. Tenha itens para negociar e trocar, e neste tópico acha-se uma milhar de dicas de segurança e visando ganhos pessoais, e a lista segue, esconda seus estoques, defenda suas preparações, fodam-se as cigarras, pollys e ovelhas!



O Ricardo não mede suas preparações por kilos ou embalagens, ele as conta por refeições e em seus planos está algo como um "sopão" para ajudar as pessoas que chegarem a ele. Não pretende vender a comida ou trocar por trabalho, simplesmente doar. No Brasil é o primeiro preparador autônomo e independente de instituições que vejo que manifestou esta perspectiva. Já tive outro contato antes, mas o preparador pretendia ajudar só membros de sua igreja/religião/fé.



Ricardo também é um protetor de animais e tem em média 60 cães sob sua guarda que cuida com recursos próprios até serem adotados, é o cara tem um bom coração.

Me pergunto se as pessoas em torno dele, esfomeadas, sem lei para guia-las vão respeitar a regrinha de tomar uma sopa por dia sem saquear o resto, ele acredita que sim, que gentileza gera gentileza, bondade gera bondade. Um amigo meu diria : - Este cara acha que vive na Suécia ou na Suiça e não no Brasil.



Fato é que fora do Brasil, em áreas de crise onde a ONU atua, cada carregamento assistencial chega com escolta blindada e pelo menos 2 homens armados por caminhão. A ONU acredita que sob a mira de armas todos se comportam bem... e até que faz sentido este assistencialismo vigiado.



 Uma coisa é o sopão comunitário numa sociedade onde a policia atende o telefone e as pessoas tem a lei a temer, outra é expor suprimentos num lugar onde tanto faz matar ou morrer por nada, mas enfim...



Seja como for, acredito que eu esteja no meio fio. Se invadir o perímetro farei o possível para defendê-lo, porém, minha exposição na internet já é grande e é até meio óbvio que eu seja procurado caso uma merda muito grande bata no ventilador, afinal, muitos conhecidos próximos acompanham meu trabalho. Esta semana vou duplicar meu banco de sementes e começar a projetar um meio de ajudar algumas pessoas que eventualmente venham a mim, mas pode ter certeza que vai envolver trabalho na enxada e pouco conforto, tem muito pasto, mato e espaço na vizinhança, agua não falta. Certamente este será o tema da próxima reunião de meu grupo local, ajudamos alguns?, Desaparecemos do mapa?, Ou repelimos seja lá quem for a cigarra desesperada que aparecer por aqui?

 
Comida para muitos é de fato o mais simples de se resolver com algum trabalho coletivo, problema é a proteção e defesa destas pessoas, cuidados e suprimentos médicos para os feridos, estropiados e machucados, ferramentas... 

Eu tenho um plano audacioso para envolver mais preparadores e sobrevivencialistas da minha região, mas isso é assunto pra outra postagem, nesta quero discutir valores e a relação do sobrevivencialismo com a caridade e aguardo as opiniões de vocês.



Translate