segunda-feira, 20 de maio de 2013

Sobrevivencialistas - A nova resistência?.

Hoje eu vou escrever sobre ameaças, mas de uma maneira diferente, vamos falar sobre grupos sociais que lutam por benefícios sociais e poder político.



O Brasil e o mundo estão forrados de "istas", "anos" e "eiros". E cada vez mais lutam por seus ideais, óbvio, todos tem seus simpatizantes, seguidores, ativistas e até seu grupo mais extremista e seus radicais.

Já vou começar de cara poupando vosso trabalho nas criticas enfatizando que eu não sou um cientista político, antropólogo, psicólogo nem qualquer tipo de estudioso social, escrevo baseado nas minhas percepções de caipira pós-urbanóide.

Quantos grupos lutam pelo poder em diferentes escalas? Quantos movimentos organizados surgem para tentar impor por seus interesses?
Fora a esfera política e as ideologias de cada partido, hoje vemos e vivemos um verdadeiro enfrentamento de religiões, seitas, armamentistas e desarmamentistas, movimentos raciais e pasmem, pessoas querendo benefícios sobre as demais por conta de sua opção sexual. Acabou a igualdade e acabou o estado laico.
No Brasil a justiça não é igual para todos, ela favorece quem tem mais recursos para pagar os melhores advogados, as mais altas fianças e os melhores amigos poderosos.


Tudo isso não é novidade, talvez não para muitos, outros tantos nem ligam pra isso, mas, o que será de nós se uma religião conseguir, através de seus seguidores, tamanha votação a ponto de ser maioria. E se tivermos uma nova constituição, toda baseada nos princípios de uma maioria religiosa, ou até moldada a uma tendência política ou racial?



Hahh isso vai ser um problema. Hoje a quadrilha que nos governa está confortável, e faz o possível para calar as minorias com migalhas de benefícios, dá cotas aos negros, financia os gayzistas. Não cobra tributos das igrejas e seitas e facilita a liberdade dos pastores picaretas, joga a mídia contra os radicais, censura os opositores e apoia seus aliados. O governo financia o MST, através de ongs e associações, para que eles façam justiça social com as próprias mãos, investem em sindicatos para angariar votos e lavar dinheiro, dão para os índios poder demais, e os estraçalham com a mesma potencia.



 Nas cidades dão dinheiro aos pobres para que comprem mais, e se tornem mais ainda escravos de consumíveis inúteis. Este governo, melhor, este nosso sistema favorece os bandidos e marginais, óbvio, são os únicos armados que confrontam as leis imundas de nosso país, porque o cidadão honesto já foi desarmado e não vai lutar. Como ficará este equilíbrio quando o sistema for rompido, quando homens serão presos por sua fé, cor ou orientação sexual. O que aconteceria com o governo se as igrejas se posicionassem contra suas regras, basta um simples imposto incidir sobre seus ganhos, que a merda está feita.



Não, o povo ovelha não fará uma revolução, não agora, mesmo com votos manipulados, coeficientes eleitorais que garantam o lugar dos bandidos e marginais terroristas condenados nas comissões que deveriam julga-los. A revolta virá quando um destes grupos fechar a porta para o outro ou chegar no poder.



Sobrevivencialistas, paradoxalmente também "istas" é um movimento ainda não organizado e tem por meta "suportar" ilesos uma grande quantidade de ameaças, sendo o caos social certamente a mais brutal e polêmica. Religiões são através da história, grandes pontos de divergência familiar, e muitos irmãos de sangue já se tornaram inimigos em nome de Deus, este é só um exemplo, mas demonstra bem como, mesmo um núcleo familiar sólido pode sofrer baixas por questões ideológicas.



 Política, futebol, orientação sexual, não importa, o preparador deve se manter o mais neutro possível das interferências em sua estrutura familiar, mesmo que talvez pareça omisso em suas crenças, sua família é sua base mais sólida de sobrevivência, e o líder de um nucleo deve prezar por sua união e estabilidade. Já é difícil demais lidar com as ameaças externas, ninguém precisa de inimigos sobre o mesmo teto.



Tão paradoxal quanto pertencer a um grupo terminado em "ista" está o aspecto político social que o tema impõe. Um grupo tem mais chances se atravessar crises em segurança que um indivíduo solitário e tão grande é o mar de ameaças que mesmo um grupo grande pode ser visto como uma ilha solitária. Este grupo formado de por pessoas vai exigir uma certa política e regras sociais para existir.



Aqui temos algumas regras para indivíduos e familias que queiram fazer parte do grupo, alguns exemplos são:
- Possuir 3 meses de preparação;
- Dedicar algumas horas na semana para estudos e treinamentos dedicados ao tema;
- 1 reunião trimestral;
- Votação simples resolvem qualquer disputa, etc;
 Em caso de crise, tudo muda, mas este é assunto para outra postagem, seja qual for o sistema que siga, a neutralidade é sempre o mais desejável, mesmo que se force a isso, você acaba tendo uma visão mais abrangente e vendo os dois lados antes de tomar uma decisão.

 
O respeito á individualidade e os interesses são guias mais poderosos para certos grupos que uma causa legítima em sí, e embora alguns tenham tido sua formação inicial plena e totalmente altruísta, hoje o que vemos é o contrário, uma imposição quase forçada e uma rivalidade perigosa fomentada pela mídia.



Cada sobrevivencialista deve se empenhar em atuar junto a sua célula, aparando as arestas e impedindo a formação de pensamentos radicais ou extremistas, só assim formará uma resistência resiliente com mais chances de suportar as ameaças sociais.

Batata.

Translate

Publicidade