quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Sobrevivencialismo : Sigilo ou divulgação?


11 em cada 10 preparadores concordam que o sigilo é a maior arma de segurança que se pode dispor em um momento de crise, trocando em miúdos, quanto menos pessoas souberem de suas preparações, menos visado você será como um alvo apetitoso em um momento de crise.
Manter canais de divulgação do tema é sem dúvida um dos maiores paradoxos do sobrevivencialismo, exceto é claro para quem não é um sobrevivencialista.


Vamos pensar um pouco, semana após semana eu publico vídeos, escrevo em sites, fóruns e blogs, dou entrevistas e até me relaciono com uma porção de pessoas desconhecidas em redes sociais, a cada nova publicação procuro meios de divulgar o trabalho, expor minhas ideias e pensamentos e até tento passar algum conhecimento prático ou teórico fruto de minhas pesquisas ou engenhosidade, Toda esta exposição não rende dinheiro nenhum, ou melhor rende cerca de U$ 40! Isso mesmo, cerca de 40 dólares americanos a cada mês que com descontos bancários e impostos perfazem 30, a única proposta que fiz de capitalização do canal rendeu somente 40% da meta, logo meus caros, não é pelo dinheiro acreditem.



Talvez seja por fama (ou infâmia?)... hahh não, também não, não sei como lidar com isso e me é muito constrangedor quando alguém diz que é meu fã, sei lá, até entendo que isso seja reflexo de meus esforços em criar material cada vez mais agradável para o publico, é bem um esforço mesmo, pois nunca me imaginei ou fantasiei ser algum tipo de ator ou figura publica.
Minha ideia é e sempre foi registrar meus avanços na prática sobrevivencialista, deixar algum material gravado para meus filhos (sim, tem muito vídeo privado no canal) e ajudar caras que passaram ou que podem vir a passar por perrengues como os que eu passei. De inicio percebi que poderia conhecer muita gente e aprender muito com eles. Cada comentário, critica ou correção lapidam minhas técnicas e conhecimentos ao longo de cada tema. Escrevo muito, mas leio e pesquiso muitas vezes mais e gosto de imaginar que como leitor estou na posição de "ouvinte" e bem poucos reparam que faço mais perguntas do que dou respostas.



Este retorno dos amigos que seguem minhas publicações vale muito, mas será que vale o suficiente a ponto de tornar toda minha estrutura um alvo apetitoso em um cenário de crise?
No meu caso julguei e ponderei muito esta questão.
Logo no inicio do Guia me deparei com duas situações que fizeram o alarme tocar, duas ameaças que não teriam existido se eu continuasse minha vidinha anônima, uma delas se deu por conta de uma discussão de internet e outra por ameaçar os interesses de uma empresa, afinal eles querem vender muito caro soluções baratas que eu mostro e como vão ganhar dinheiro se a classe A+ da sociedade, que não é burra, perceber que não precisam deles? Legal né, mas não vou falar disso hoje... mas vou falar...
Voltando ao tema, estes eventos me deram a noção exata do perigo que a exposição pode trazer e foi aí que decidimos tomar uma atitude e providenciamos um BOL ( bug out location) ou um refúgio externo totalmente desconectado de tudo e todos. Foi um sacrifício dos infernos pra minha família, mas conseguimos.



Eu não tenho grandes posses, como coisas caras, carros ou itens que motivem um roubo específico, a TV do meu quarto tem 20 anos e ainda funciona no botão, uso roupas de mercado ou lojas baratas, até porque não tenho muito cuidado em preservar roupas. Eu sou um preparador de baixa renda, esta é a verdade e se tivesse joias, ouro e dinheiro trocaria por comida e ferramentas. Como faço parte de um grupo recebo apoio, óbvio, e posso me dar ao pequeno luxo de só dispor em casa do básico, ou do material em andamento no meu canal, o resto está em segurança em outro local.



Esta foi uma precaução para lidar com este paradoxo da exposição, embora eu saiba que bem poucas ameaças são capazes de gerar uma grande evacuação e que minha estrutura doméstica é resistente a uma série de crises, eu achei que ficar sem uma alternativa "secreta" não era uma boa idéia.

 Eu seria uma ovelha muito inocente se acreditasse que existe alguma segurança realmente eficaz neste processo, mas procurei minimizar ou melhor amenizar o risco para poder continuar trabalhando com o guia.
Esta postagem vem de encontro com uma série de perguntas sobre o tema que sempre pipocam nas minhas publicações, algumas vem de simples curiosos, outras de preparadores que relutam ao máximo se expor e talvez sirva para esclarecer um pouco como eu lido com este jogo, onde você simplesmente escolhe onde pisar dia após dia, e assume os riscos do caminho que escolheu.



Um resumão, ou melhor, uma boa dica final seria : " Não deixe todos os seus ovos na mesma cesta".

Sorte mesmo tem o leitor do blog, que se quiser, pode postar comentários online totalmente anônimos e pretegidos, então abusem e comentem suas impressões.

Translate

Publicidade